COBAP adere campanha nacional contra privatizações

O pacote perverso de privatizações do governo Temer é mais  um alvo de revolta do povo brasileiro contra o desmonte do Estado. Lideranças de 26 entidades de trabalhadores e aposentados, parlamentares e líderes da oposição anunciaram, na tarde da última quarta-feira (13), mobilização nacional contra o pacote. O ato foi realizado durante audiência pública da Comissão de Legislação Participativa, que lotou o auditório Nereu Ramos, da Câmara dos Deputados, em Brasília (DF).

 

                Diretor da COBAP e ex-funcionário da Casa da Moeda - um dos alvos das privatizações, José Carlos Vieira manifestou a repulsa da Confederação. “O governo trata com total descaso o povo brasileiro e massacra sem dó para aprovar seus interesses. As privatizações representam, sem dúvidas, a venda do Brasil”, afirmou. A expectativa é mobilizar a população para greve geral, manifestações de rua e ações legislativas a partir de outubro para barrar a privatização, que inclui estradas, portos, aeroportos, a Eletrobrás e a Casa da Moeda.

 

                Organizador da audiência, o líder do PSOL, Glauber Braga (RJ), afirmou que além da participação ativa na campanha nacional “Eu não vendo meu país”, os parlamentares devem deixar clara a posição de não deixar votar a proposta, quando for para votação. O coordenador da Frente Parlamentar em Defesa das Centrais Elétricas do São Francisco (Chesf), deputado Danilo Cabral (PSB-PE) criticou a privatização da Eletrobrás. . "Nós estamos entregando a chave da caixa d'água do Nordeste para que o privado possa tomar conta. E atrás disso, o sucateamento de uma política de desenvolvimento regional de 70 anos de história que a Chesf tem", disse.

 

            As deputadas Érika Kokay (PT-DF), Luiza Erundina (PSOL-SP), Luciana Santos (PCdoB-PE),a senadora, Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e outros parlamentares manifestaram repulsa às privatizações. Representantes da Casa da Moeda, Eletrobrás, Chesf, CTB, Anfip, Auditoria Cidadã da Dívida, MTST e outras entidades sociais também participaram da audiência. 

 

 

fonte: COBAP